Gestão / Administração

Dissertações de Mestrado

 

A Satisfação Profissional dos Enfermeiros em Cuidados de Saúde Primários no Distrito de Braga

 

Autor: Vera Lúcia Araújo Ferreira
Orientador: Maria Teresa Vieira Campos Proença

 

Mestrado em Gestão e Economia de Serviços de Saúde

Faculdade de Economia

Universidade do Porto
 

Se é autor de uma tese / dissertação de mestrado ou de doutoramento envie-nos para knoow.net@gmail.com e ajude-nos a enriquecer ainda mais o nosso site.

continuar

 

A Satisfação Profissional dos Enfermeiros em Cuidados de Saúde Primários no Distrito de Braga

Resumo

Os recursos humanos de uma instituição são os agentes que potenciam a qualidade e a eficiência dos seus serviços. Atendendo a que a satisfação profissional em enfermagem é um indicador da qualidade dos cuidados prestados aos utentes e da avaliação do desempenho das unidades de saúde, que se encontram em fase de remodelação em Portugal, interessou-nos avaliar a Satisfação Profissional dos Enfermeiros em Cuidados de Saúde Primários, o que decorreu no Distrito de Braga. Pretende-se com este estudo verificar (i) se a satisfação profissional dos enfermeiros a exercer funções em Unidades de Saúde Familiar (USF) é maior do que a dos enfermeiros em Centros de Saúde (CS), já que as primeiras apresentam um modelo de gestão mais actual e, em princípio, com maior potencial motivacional; (ii) se os factores sociobiográficos dos inquiridos interferem nessas diferenças e (iii) quais as dimensões da satisfação profissional que têm um maior papel preditor na satisfação global e na intenção de turnover. Para avaliar o grau de satisfação profissional utilizamos o Instrumento de Avaliação da Satisfação Profissional (IASP). A amostra não probabilística de conveniência é constituída por 214 enfermeiros a exercer funções em CS e 174 enfermeiros a exercer funções em USF. Os resultados demonstram que a satisfação dos enfermeiros depende do facto de estes trabalharem em tipos de unidades diferentes, i.e., os inquiridos a exercer funções em USF demonstram estar mais satisfeitos, face aos trabalham em CS. Relativamente aos factores sociobiográficos, constata-se que a satisfação profissional depende do tipo de vínculo, do facto de os mesmos desempenharem funções de gestão, do tempo de serviço e da idade. Verifica-se ainda que a satisfação global dos inquiridos depende do tipo de horário, do tipo de vínculo e do tempo de serviço. Por último, constata-se que a intenção de turnover dos enfermeiros é influenciada pelo tempo de serviço e pela idade.
As dimensões da satisfação profissional que apresentam um papel importante na explicação da satisfação global são a Melhoria Contínua da Qualidade, as Características Laborais e o Local de Trabalho e Equipamento. Por outro lado, a Qualidade na Prestação dos Cuidados e a Satisfação com o Superior Hierárquico sãoas dimensões que apresentam um papel importante na explicação da intenção de turnover.

 

Índice 

1. INTRODUÇÃO
2. REVISÃO DA LITERATURA

2.1. INTRODUÇÃO.

2.2. A REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

2.2.1. Agrupamentos de Centros de Saúde

2.2.2. Unidades Funcionais

2.2.2.1. Unidades de Saúde Familiar
2.2.2.2. Unidade de Saúde Pública
2.2.2.3. Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados
2.2.2.4. Unidade de Cuidados na Comunidade
2.2.2.5. Unidade de Recursos Assistenciais Partilhados

2.3. A SATISFAÇÃO PROFISSIONAL

2.3.1. Conceito de satisfação profissional

2.3.2. Teorias explicativas da satisfação profissional

2.3.2.1. Teoria da hierarquia de necessidades de Maslow

2.3.2.2. Teoria dos dois factores de Herzberg
2.3.2.3. Teoria das expectativas de Vroom
2.3.2.4. Teoria da equidade de Adams

2.3.3. Determinantes da satisfação no profissional de enfermagem

2.3.4. Consequências da (in)satisfação profissional
2.3.5. Avaliação da satisfação profissional nos profissionais de enfermagem

2.4. SÍNTESE CONCLUSIVA

3. METODOLOGIA

3.1. INTRODUÇÃO
3.2. MODELO TEÓRICO E OBJECTIVOS DA INVESTIGAÇÃO
3.3. HIPÓTESES
3.4. INSTRUMENTO DE RECOLHA DE DADOS

3.4.1. Instrumentos originais e propriedades psicométricas
3.4.2. Estrutura do instrumento
3.3.3. Validade das Escalas
3.3.4. Fiabilidade das Escalas

3.4. DEFINIÇÃO DA POPULAÇÃO ALVO, PROCESSO DE AMOSTRAGEM E TRABALHO DE CAMPO

3.5. TÉCNICAS ESTATÍSTICAS DE ANÁLISE DOS RESULTADOS

3.6. SÍNTESE CONCLUSIVA

4. APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS

4.1. INTRODUÇÃO
4.2. CARACTERIZAÇÃO ESTATÍSTICA DA AMOSTRA
4.3. VERIFICAÇÃO DAS HIPÓTESES DE INVESTIGAÇÃO

4.3.1. Diferenças na satisfação dos enfermeiros

4.3.2. Factores sociobiográficos dos profissionais em interacção com o exercício de funções em CS ou em USF

4.3.3. Papel preditor da satisfação profissional na satisfação global e na intenção de turnover

4.4. ANÁLISE DE CONTEÚDO DAS RESPOSTAS ÀS QUESTÕES ABERTAS

4.4.1. A melhoria da qualidade dos cuidados prestados e a qualidade como local de trabalho

4.4.2. Acções de gestão que surpreenderam mais os profissionais no último ano
4.4.3. Outros comentários

4.5. SÍNTESE CONCLUSIVA

5. DISCUSSÃO DE RESULTADOS

6. CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E PERSPECTIVAS DE INVESTIGAÇÃO FUTURA
REFERÊNCIAS

ANEXOS

ANEXO I – QUESTIONÁRIO APLICADO NOS CS
ANEXO II – QUESTIONÁRIO APLICADO NAS USF
ANEXO III – DISTRIBUIÇÃO DOS ENFERMEIROS POR CS E USF, POR CADA ACES
ANEXO IV – PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO

 

 

Trabalho completo