Psicologia

Dissertações de Mestrado

 

"Antes de ser..." : primeiras impressões em psicoterapia
Um estudo exploratório

 

Autor: Alexandra Sofia Freches Duque
Orientador: Telmo Baptista

 

Mestrado em Psicologia

Área de Especialização em Mudança e Desenvolvimento em Psicoterapia

Universidade de Lisboa
 

Se é autor de uma tese / dissertação de mestrado ou de doutoramento envie-nos para knoow.net@gmail.com e ajude-nos a enriquecer ainda mais o nosso site.

continuar

 

"Antes de ser..." : primeiras impressões em psicoterapia

Resumo

Tal como em todas as interacções quotidianas, os primeiros momentos de um encontro terapêutico despoletam primeiras impressões, criadas com base numa transmissão de características emocionais ao nível inconsciente, com base nos indícios fornecidos pelo interlocutor. Contudo, apesar de a importância das primeiras impressões parecer inegável, os mecanismos subjacentes às mesmas ainda não parecem completamente esclarecidos, assim como a utilização que pacientes e terapeutas delas fazem. No presente trabalho pretendemos identificar e analisar as primeiras impressões de terapeutas, assim como a forma como estes as utilizam no âmbito terapêutico. Desta forma, foram criados dois vídeos de 1,5 minutos, recriando com actores (um do sexo masculino e um do sexo feminino) os primeiros minutos de uma primeira sessão de um processo terapêutico. Os terapeutas foram então expostos a estes vídeos-estímulo e questionados acerca das suas primeiras impressões perante estes pacientes-actores. Os resultados que se apresentam, referem-se à análise de conteúdo das primeiras impressões dos referidos terapeutas. Os dados do presente estudo apontam, assim, para a existência, utilização e importância das primeiras impressões dos terapeutas num encontro clínico. Todos os terapeutas que se disponibilizaram para colaborar encontravam-se conscientes desta realidade e referiam mesmo que é a consciência destes pareceres rápidos que permite que os mesmos sejam constantemente aferidos e não toldem a visão do terapeuta, mas antes forneçam pistas para novos caminhos no âmbito do processo terapêutico. Apesar de termos encontrado diferentes terapeutas que relatam primeiras impressões semelhantes, não podemos concluir que este tipo de sensação, perante o mesmo paciente, é igual entre todos os profissionais desta área. Esta diferença parece dever-se ao facto de a construção de primeiras impressões ser grandemente influenciada pelas características pessoais e profissionais dos terapeutas. O presente trabalho pretende assim fazer uma reflexão e lançar questões acerca da formação e utilização de primeiras impressões por parte dos terapeutas.

 

Palavras chave: Psicoterapias, Processo terapêutico, Relação terapêutica

 

Índice

I. Introdução

PARTE I – ENQUADRAMENTO TEÓRICO

1. Primeiras Impressões ou Realidade Intuída?

1.1. Formação de Impressões 
1.2. Comunicação Não-Verbal
1.3. Aprendizagem e Estereótipos

2. Primeiras impressões e Intuição Terapêutica... O Campo da Psicoterapia

2.1. Uma Reflexão sobre Psicoterapia
2.2. Psicoterapia: Um Processo Comunicativo
2.3. A Primeira Sessão do Processo Psicoterapêutico
2.4. Psicoterapia: Um Processo de Influência Social?
2.5. Primeiras Impressões em Psicoterapia

PARTE II – ESTUDO EMPÍRICO 

3. Objectivos do Estudo

3.1. Objectivos do Estudo

3.2. Questões de Investigação

3.3. Hipóteses

4. Metodologia

5. Resultados

5.1. Caracterização da amostra
5.2. Análise Descritiva

5.2.1. Categorias de Análise referentes às Primeiras Impressões dos Terapeutas perante a Paciente Feminina

5.2.2. Categorias de Análise referentes às Primeiras Impressões dos Terapeutas perante o Paciente Masculino
5.2.3. Categorias de Análise referentes às Antevisões dos Terapeutas relativas ao Desenvolvimento da Relação e Processo Terapêuticos da Paciente Feminina
5.2.4. Categorias de Análise referentes às Antevisões dos Terapeutas relativas ao Desenvolvimento da Relação e Processo Terapêuticos do Paciente Masculino
5.2.5. Categorias de Análise referentes às Sensações Contratransferenciais dos Terapeutas relativas à Paciente Feminina
5.2.6. Categorias de Análise referentes às Sensações Contratransferenciais dos
Terapeutas relativas ao Paciente Masculino
5.2.7. Categorias de Análise referentes à Avaliação do construto “Primeiras Impressões"
5.2.8. Categorias de Análise referentes à apresentação de um Caso Clínico

5.3. Estudo das relações cruzadas

5.3.1. Categorias diferenciadas pela ordem de apresentação dos vídeos

5.3.1.1. Categorias de Análise referentes às Primeiras Impressões dos Terapeutas perante a Paciente Feminina

5.3.1.2. Categorias de Análise referentes às Primeiras Impressões dos Terapeutas perante o Paciente Masculino
5.3.1.3. Categorias de Análise referentes às Antevisões dos Terapeutas relativas
ao Desenvolvimento da Relação e Processo Terapêuticos da Paciente Feminina 69
5.3.1.4. Categorias de Análise referentes às Antevisões dos Terapeutas relativas
ao Desenvolvimento da Relação e Processo Terapêuticos do Paciente Masculino
5.3.1.5. Categorias de Análise referentes às Sensações Contratransferenciais dos
Terapeutas relativas à Paciente Feminina
5.3.1.6. Categorias de Análise referentes às Sensações Contratransferenciais dos
Terapeutas relativas ao Paciente Masculino

5.3.2. Categorias diferenciadas pelo Sexo do Terapeuta

5.3.2.1. Categorias de Análise referentes às Primeiras Impressões dos Terapeutas perante a Paciente Feminina

5.3.2.2. Categorias de Análise referentes às Primeiras Impressões dos Terapeutas perante o Paciente Masculino
5.3.2.3.Categorias de Análise referentes às Antevisões dos Terapeutas relativas ao Desenvolvimento da Relação e Processo Terapêuticos da Paciente Feminina
5.3.2.4. Categorias de Análise referentes às Antevisões dos Terapeutas relativas
ao Desenvolvimento da Relação e Processo Terapêuticos do Paciente
Masculino

5.3.2.5. Categorias de Análise referentes às Sensações Contratransferenciais dos Terapeutas relativas à Paciente Feminina diferenciadas pelo Sexo do Terapeuta
5.3.2.6. Categorias de Análise referentes às Sensações Contratransferenciais dos Terapeutas relativas à Paciente Feminina diferenciadas pelo Sexo do Terapeuta

5.3.3. Categorias diferenciadas pela Experiência Profissional do Terapeuta

5.3.3.1. Categorias de Análise referentes às Primeiras Impressões dos Terapeutas
perante a Paciente Feminina

5.3.3.2.Categorias de Análise referentes às Primeiras Impressões dos Terapeutas perante o Paciente Masculino
5.3.3.3.Categorias de Análise referentes às Antevisões dos Terapeutas relativas ao Desenvolvimento da Relação e Processo Terapêuticos da Paciente Feminina
5.3.3.4. Categorias de Análise referentes às Antevisões dos Terapeutas relativas ao Desenvolvimento da Relação e Processo Terapêuticos do Paciente Masculino
5.3.3.5. Categorias de Análise referentes às Sensações Contratransferenciais dos Terapeutas relativas à Paciente Feminina
5.3.3.6. Categorias de Análise referentes às Sensações Contratransferenciais dos Terapeutas relativas ao Paciente Masculino

5.3.4. Categorias diferenciadas pela Formação Académica do Terapeuta

5.3.4.1. Categorias de Análise referentes às Primeiras Impressões dos Terapeutas perante a Paciente Feminina

5.3.4.2. Categorias de Análise referentes às Primeiras Impressões dos Terapeutas
perante o Paciente Masculino

5.3.4.3. Categorias de Análise referentes às Antevisões dos Terapeutas relativas
ao Desenvolvimento da Relação e Processo Terapêuticos da Paciente Feminina
5.3.4.4. Categorias de Análise referentes às Antevisões dos Terapeutas relativas
ao Desenvolvimento da Relação e Processo Terapêuticos do Paciente Masculino
5.3.4.5. Categorias de Análise referentes às Sensações Contratransferenciais dos Terapeutas relativas à Paciente Feminina
5.3.4.6. Categorias de Análise referentes às Sensações Contratransferenciais dos Terapeutas relativas ao Paciente Masculino

5.3.5. Categorias de Análise referentes à Avaliação do Construto “Primeiras Impressões”

5.3.5.1. Construto “Primeiras Impressões” diferenciado pela Experiência Profissional do Terapeuta

5.3.5.2. Construto “Primeiras Impressões” diferenciado pela Formação Académica do Terapeuta

6. Discussão

6.1. Processo de Formação de Primeiras Impressões no Contexto
Psicoterapêutico

6.1.1. Estudo das Relações entre a Formação de Primeiras Impressões e as
Características do Terapeuta 

6.1.1.1. Ordem de Apresentação 
6.1.1.2. Sexo do Terapeuta 
6.1.1.3. Experiência Profissional do Terapeuta 
6.1.1.4. Formação Académica do Terapeuta

6.2. Avaliação do Construto de Primeiras Impressões no Processo Psicoterapêutico 

6.2.1. Estudo das Relações entre o Construto de Primeiras Impressões e as
Características do Terapeuta 

6.2.1.1. Experiência Profissional do Terapeuta 

6.2.1.2. Formação Académica do Terapeuta 

6.3. Avaliação dos Casos Clínicos Apresentados pelos Terapeutas 

7. Conclusão 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANEXOS
 

 

Trabalho completo