Psicologia

Dissertações de Mestrado

 

Comportamentos de autonomia nos anos pré-escolares na transição para a escolaridade obrigatória

 

Autor: Micaela Costa da Silva
Orientador: Luísa Barros

 

Mestrado em Psicologia

Secção de Psicologia Clínica e da Saúde
Núcleo de Psicologia da Saúde e da Doença

Universidade de Lisboa
 

Se é autor de uma tese / dissertação de mestrado ou de doutoramento envie-nos para knoow.net@gmail.com e ajude-nos a enriquecer ainda mais o nosso site.

continuar

 

Comportamentos de autonomia nos anos pré-escolares na transição para a escolaridade obrigatória

Resumo

Partindo do reconhecimento de uma lacuna existente no estudo sobre comportamentos de autonomia e da importância que estes comportamentos têm no dia-a-dia da criança, no processo de construção da sua autonomia e na entrada para a escolaridade obrigatória, este estudo exploratório teve como objectivo principal identificar a prevalência de comportamentos de autonomia numa amostra de crianças na transição para a escolaridade obrigatória. Através da aplicação do Questionário de Avaliação de Comportamentos de Autonomia e do Questionário de Capacidades e Dificuldades, a 39 crianças de 5 e 6 anos de idade, utentes nas Unidades de Saúde da Charneca da Caparica e da Trafaria, foi possível recolher dados para (1) identificar a prevalência de comportamentos de autonomia, (2) avaliar a diferença no grau de autonomia, para os comportamentos avaliados, entre grupos de crianças, considerando o sexo, a frequência no jardim-escola e o número de irmãos e/ou irmãs, (3) identificar a prevalência de crianças com perturbação emocional e comportamental, e (4) avaliar a associação entre uma menor autonomia nos comportamentos avaliados e a presença ou ausência de perturbação comportamental. Os resultados demonstram que a maioria das crianças é autónoma nos domínios avaliados neste estudo (alimentação, hábitos de higiene, sono, controlo das funções de eliminação, cuidados diários pessoais e realização de pequenas tarefas), que as raparigas desta amostra têm uma maior autonomia nestes comportamentos comparativamente aos rapazes, e que, a este nível, não existem diferenças entre as crianças que frequentam o jardim-escola e aquelas que não frequentam, e entre as crianças que têm irmãos e as que não têm. Verificou-se ainda uma associação entre uma menor autonomia e a presença de perturbação emocional e comportamental, contudo esta não foi conclusiva. Adicionalmente, foi possível identificar alguns comportamentos que são realizados de forma menos autónoma pela maioria das crianças.

 

Palavras chave: Autonomia, Educação pré-escolar - Portugal, Perturbações do comportamento, Teses de mestrado - 2009

 

Índice

Fundamentação Teórica

Autonomia e conceitos

Autonomia e comportamentos de autonomia

Autonomia e o processo de construção da autonomia na criança pré-escolar

Autonomia e a criança pré-escolar

Desenvolvimento dos comportamentos de autonomia

Autonomia e a entrada na escola

Objectivos

Metodologia

Amostra

Instrumentos Utilizados

Questionário de Avaliação de Comportamentos de Autonomia

Questionário de Capacidades e Dificuldades

Protocolo de Consentimento e Questionário Demográfico

Recolha de Dados

Procedimento Estatístico

Análise e Tratamento dos Dados

Resultados do Questionário de Avaliação de Comportamentos de

Autonomia (QCA)

Análise das frequências de resposta aos itens do questionário

Comparação de resultados entre grupos

Resultados do Questionário de Capacidades e Dificuldades (SDQ)

Comparação de resultados do QCA e SDQ

Análise e Discussão dos Resultados

Resultados do Questionário de Avaliação de Comportamentos de Autonomia (QCA)

Análise das frequências de resposta aos itens do questionário

Comparação de resultados entre grupos

Resultados do Questionário de Capacidades e Dificuldades (SDQ)

Comparação de resultados do QCA e SDQ

Limitações do Estudo

Implicações Clínicas

Sugestões para Futuras Investigações

Conclusão

Bibliografia

Anexos

 

 

Trabalho completo