Psicologia

Dissertações de Mestrado

 

O efeito de ancoragem enquanto activação-monitorização
Ancoragem sob pressão

 

Autor: João Pedro Niza Braga
Orientador: Leonel Garcia-Marques

 

Mestrado em Psicologia

Secção de Cognição Social Aplicada

Universidade de Lisboa
 

Se é autor de uma tese / dissertação de mestrado ou de doutoramento envie-nos para knoow.net@gmail.com e ajude-nos a enriquecer ainda mais o nosso site.

continuar

 

O efeito de ancoragem enquanto activação-monitorização

Resumo

O efeito de ancoragem a assimilação de um julgamento a um standard numérico tem sido atribuído à elevada acessibilidade da informação sobre o alvo consistente com a âncora no momento do julgamento absoluto sobre o alvo. A hipótese de acessibilidade selectiva postula que a activação dessa informação consistente com a âncora se faz por de teste-de-hipótese confirmatório de que o alvo é igual à âncora (Strack & Mussweiler, 1997). No entanto, é aqui proposto que a teoria da activação/monitorização (ex. Roediger & McDermott, 1995) também explica esse fenómeno de activação e acessibilidade através de um processo de recuperação por pistas compósitas que incorporam alvo+âncora, propondo, ainda que a monitorização dessa activação permite uma correcção parcial do enviesamento. É proposta uma metodologia que permite contrastar estas duas teorias, levando os sujeitos a responder às duas perguntas do paradigma em condições de pressão temporal. Assim, a teoria da activação/monitorização prevê um aumento do efeito de ancoragem, uma vez que a monitorização seriam afectada pela pressão temporal, e a hipótese de acessibilidade selectiva prevê uma diminuição do efeito de ancoragem, uma vez que a pressão temporal afecta o teste-de-hipótese confirmatório de que o alvo é igual à âncora. O efeito obtido nessa manipulação será comparado a uma replicação do estudo 3 de Mussweiler e Strack (1999), que mostrou ancoragens idênticas numa condição sem pressão temporal e numa condição de pressão temporal apenas na pergunta comparativa. Espera-se deste modo contrastar as duas teorias, recolhendo evidências dos processos de correcção que apoiem a teoria da activação/monitorização e refutem a hipótese de acessibilidade selectiva enquanto explicação do efeito de ancoragem.

 

Palavras chave: Cognição social, Ancoragem, Monitorização, Teses de mestrado - 2009

 

Índice

Introdução

1. O fenómeno de ancoragem e suas explicações

1.1. Ajustamento insuficiente

1.2. Inferências conversacionais

1.3. Priming numérico

1.4. Um caso especial de primação semântica

2. A Hipótese de Acessibilidade Selectiva

2.1. Evidências de acessibilidade selectiva.

2.2. Críticas à hipótese de acessibilidade selectiva: Teoria

2.3. Limitações da hipótese de acessibilidade selectiva: Evidências

2.4. MINERVA-DM e SARA: modelos anti-teste-de-hipótese confirmatório

3. Ancoragem enquanto activação/monitorização

3.1. Activação

3.2. Monitorização

3.3. Monitorização e Correcção na Ancoragem

4. O problema metodológico: Como contrastar as teorias?

4.1. Tempos de reacção na ancoragem

4.2. “Das duas uma”: HAS vs. activação/monitorização

4.3. Síntese e sistematização do estudo

Pré-teste 1 - Determinar âncoras

Pré-teste 2 – Classificar plausibilidade das âncoras

Estudo 1

Método

Resultados

Estudo 2

Método

Resultados

Discussão

1. A magnitude do efeito de ancoragem e a pressão temporal

2. Under pressure: uma grande ancoragem sem monitorização

3. Limitações.

4. Alternativas metodológicas: Outras formas de mostrar monitorização

4.1. Aumentar a monitorização

4.2. Reduzir a monitorização

5. Onde está a monitorização?

6. Âncoras plausíveis, implausíveis e auto-geradas

7. Conclusão

Referências

Anexo

 
 

 

Trabalho completo