Psicologia

Dissertações de Mestrado

 

Estrutura de um estudo exploratório sobre encoprese em crianças dos 7 aos 12 anos
Abordagem psicodinâmica

 

Autor: Cláudia Raquel Leal Bettencourt
Orientador: Manuel Matos

 

Mestrado em Psicologia

Secção de Psicologia Clínica e da Saúde

Núcleo de Psicologia Clínica Dinâmica

Universidade de Lisboa
 

Se é autor de uma tese / dissertação de mestrado ou de doutoramento envie-nos para knoow.net@gmail.com e ajude-nos a enriquecer ainda mais o nosso site.

continuar

 

Estrutura de um estudo exploratório sobre encoprese em crianças dos 7 aos 12 anos

Resumo

A presente estrutura de projecto de investigação propõe um estudo exploratório sobre o sintoma encoprese, com crianças dos sete aos doze anos, e respectivas famílias (nomeadamente, as mães). O presente trabalho subdivide-se em três módulos distintos. O primeiro módulo consiste numa revisão da literatura psicodinâmica sobre a compreensão das patologias psicossomáticas no geral, e sobre o sintoma encoprese na sua especificidade. O segundo módulo apresenta a estrutura do projecto de investigação proposta, em que se sugerem os procedimentos metodológicos necessários para: 1) a caracterização das relações familiares, tal como são percebidas e concebidas pelas crianças que apresentam o sintoma encoprese (utilizando o Family Relations Test, revised; Bene, & Anthony, 1978); 2) a verificação empírica da hipótese psicodinâmica proposta por Santos & Caldas (1972), sobre os mecanismos de defesa preferenciais (um perfil defensivo típico) das mães das crianças que manifestam o sintoma encoprese (utilizando o Defence Mechanisms Inventory; Gleser, & Ihilevich, 1969); 3) e por último, apresenta-se um esboço inicial de um questionário (QuestionárioPsicodinâmico sobre a Encoprese; Matos, & Bettencourt, 2008) construído a propósito desta investigação, e pretende de forma sintética, rápida e acessível, recolher aspectos do desenvolvimento psicoafectivo destas crianças (é essencialmente uma ferramenta clínica) pertinentes para a compreensão do sintoma. O último módulo deste trabalho consiste num estudo do caso de um rapaz de oito anos (e respectiva mãe) que apresenta um quadro clínico de encoprese, retentiva, secundária, com o qual se exemplifica a estrutura de projecto de investigação proposta.

 

Palavras chave: Psicologia dinâmica, Encoprese, Crianças, Teses de mestrado

 

Índice

1. Enquadramento Teórico

Parte I – As Patologias Psicossomáticas e o Modelo Teórico Psicodinâmico

1. O Conceito “Psicossomática”
2. Referencial Psicodinâmico e a Patologia Psicossomática no Adulto
3. A Psicossomática na Criança

3.1. Teoria Psicodinâmica: dimensões específicas na compreensão da psicossomática da criança

3.1.1. A Relação primária
3.1.2. A Construção do Sentimento de Continuidade do Self e a Patologia Psicossomática

3.1.3. A Importância do Contacto Pele-a-Pele e o Sentimento de
Continuidade de Si na Patologia Psicossomática
3.1.4. Nota sobre o Acesso à Triangulação e a Patologia
Psicossomática

Parte II – O Sintoma

Encoprese

1. Quadro psicopatológico e considerações para o diagnóstico

1.1. Descrição da sintomatologia
1.2. Diagnóstico Diferencial

1.2.1. Distinção e Introdução à compreensão da patologia Megacólon Funcional

1.3. Evolução e Prognóstico
1.4. Dados epidemiológicos
(Incidência e prevalência, comorbilidade, variações em função do sexo)

2. Abordagem teórica compreensiva:

Referencial psicodinâmico e o sintoma da encoprese na criança
2.1. Tarefas de Desenvolvimento Normativas na Aquisição do Controlo Esfincteriano e a Fase Anal do Desenvolvimento Psicossexual
2.2. Características Psicológicas da Criança com Encoprese
2.3. Compreensão Psicodinâmica do Sintoma Encoprese

2. Presente Estudo
Objectivos

3. Método

3.1. Amostra

3.2. Procedimentos
3.3. Instrumentos

1. Family Relations Test (F.R.T-revised) (Bene & Anthony, 1978)

2. Defence Mechanism Inventory (DMI) (Gleser & Ihilevich, 1969)
3. Questionário Psicodinâmico sobre Encoprese (Matos, & Bettencourt, 2008)
4. Referências

5. Anexos

5.1. Anexo I – Critérios de Diagnóstico para Encoprese
5.2. Anexo II – Estudo de Caso Clínico: Miguel, 8 anos, com Encoprese Secundária e de tipo Retentivo: Exemplo da Aplicação da Metodologia de Investigação Proposta
Anexo II. I – Desenho de uma pessoa (elaborado pelo Miguel)
Anexo II.II – Desenho da família
Anexo II. III – Questionário Psicodinâmico preenchido pela mãe do Miguel
Anexo II.IV – Gráficos dos Resultados do Miguel no Family Relations Test Revised
(Bene, & Anthony, 1978)

5.3. Anexo III – Conteúdos dos Itens do Family Relations Test – Revised (Bene, & Anthony, 1978)

5.4. Anexo IV – Autorização para os Pais das Crianças com Encoprese

5.5. Anexo V – Requerimento formal da autorização do projecto para o Hospital D. Estefâ
 

 

Trabalho completo