Psicologia

Dissertações de Mestrado

 

(Os) nós e os laços
Vinculação, suporte social e bem-estar em jovens adulto

 

Autor: Carla Susana Rodrigues da Costa Ramalho
Orientador: Maria Teresa Meireles Lima da Silveira Rodrigues Ribeiro

 

Mestrado em Psicologia

Área de especialização em Stress e Bem-Estar

Universidade de Lisboa
 

Se é autor de uma tese / dissertação de mestrado ou de doutoramento envie-nos para knoow.net@gmail.com e ajude-nos a enriquecer ainda mais o nosso site.

continuar

 

(Os) nós e os laços

Resumo

Enquadrados pelo Modelo Ecológico de Desenvolvimento Humano (Bronfenbrenner, 1979, 2000) e partindo da Teoria da Vinculação (Bowlby, 1969, 1980), alargada a todo o ciclo de vida, quisemos compreender as relações entre a vinculação aos pais, a vinculação aos pares, o suporte social percebido e os níveis de bem-estar psicológico e subjectivo numa população de jovens adultos. A amostra é constituída por 200 sujeitos com idades entre 18 e 25 anos de ambos os sexos. Os instrumentos utilizados são: Questionário de Vinculação ao Pai e à Mãe (versão revista; Matos & Costa, 2001), Escala de Vinculação do Adulto (Canavarro, 1995), Escala de Provisões Sociais (Moreira, 1996), Escala de Bem-estar Psicológico (Novo, Duarte Silva & Peralta, 2004), Escala de Satisfação com a Vida (Diener et al, 1985; Neto, 1993) e Inventário de Afectividade Positiva e Negativa (Moreira, 1998). Todos os instrumentos se encontravam, à partida, devidamente estudados e adaptados para a população portuguesa, tendo os resultados provenientes da análise da sua fiabilidade na presente investigação (alphas de Cronbach, correlações inter-itens e item-total) oferecido garantias para a utilização dos dados. Os resultados indicam que a dimensão da inibição da exploração e individualidade é, relativamente a ambos os progenitores, a que mais fortemente se relaciona com o estabelecimento da vinculação na idade adulta. Observamos correlações, embora baixas, da qualidade do laço emocional à Mãe com as dimensões positivas da vinculação adulta, assim como da vinculação a ambos os pais (com excepção para a ansiedade de separação e dependência) com a percepção do suporte social. Esta correlaciona-se negativamente com uma vinculação ansiosa aos pares. Exceptuando a dimensão ansiedade de separação e dependência, verificamos que a vinculação aos pais, a vinculação aos pares e a percepção do suporte social se correlacionam de modo significativo com a avaliação pessoal de bem-estar psicológico e de bem-estar subjectivo.

 

Palavras chave: Vinculação, Suporte social, Teses de mestrado

 

Índice 

INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I – O MODELO ECOLÓGICO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO DE BRONFENBRENNER E AS RELAÇÕES INTERPESSOAIS

1. A Ecologia do Desenvolvimento Humano
2. Os níveis estruturais do ambiente ecológico: micro, meso, exo e macrossistema 3. O desenvolvimento humano
4. A Ecologia do Desenvolvimento Humano na actualidade: O Modelo Bioecológico 5. Uma síntese e a prática da investigação
6. Relações interpessoais e desenvolvimento psicológico

CAPÍTULO II – RELAÇÕES INTERPESSOAIS

1. Vinculação

1.1. Vinculação Precoce
1.2. Outras vinculações, outros laços, outras relações
1.3. A vinculação na idade adulta

1.3.1. Sobre o conceito de vinculação do adulto

1.3.2. Abordagens conceptuais da vinculação do adulto

1.4. Vinculação e relações pessoais

1.4.1. A vinculação na perspectiva Ecológica

2. O suporte social na idade adulta

CAPÍTULO III – BEM-ESTAR

1. Conceptualização do Bem-Estar

1.1. Bem-Estar Subjectivo versus Bem-Estar Psicológico

1.1.1. O Bem-Estar Subjectivo

1.1.1.1. Medidas de Bem-Estar Subjectivo

1.1.1.2. O percurso da investigação

1.1.2. O Bem-Estar Psicológico

1.1.2.1. Medidas de Bem-Estar Psicológico

1.2. Diferenças, perspectivas unificadoras e limitações conceptuais/metodológicas nos modelos de Bem-Estar

2. Um modelo integrador de Bem-Estar

2.1. Um modelo de Bem-Estar normativo

2.2. Um modelo de Bem-Estar restaurador

3. Relações interpessoais e bem-estar

CAPÍTULO IV – PRELÚDIO DA INVESTIGAÇÃO: RELAÇÕES ENTRE AS VARIÁVEIS EM ESTUDO

4.1. Sobre a relação com os pais e as relações adultas
4.2. Sobre as provisões sociais e o bem-estar
4.3. Sobre o suporte social como mediador dos estilos de vinculação
4.4. O suporte social e o contexto ecológico

CAPÍTULO V – CARACTERIZAÇÃO DO ESTUDO EMPÍRICO

1. Objecto de estudo 89

2. Objectivos e questões de investigação
3. Metodologia da investigação

3.1. Amostra

3.2. Instrumentos de auto-relato

3.2.1. Questionário de Vinculação ao Pai e à Mãe (QVPM) 96

3.2.1.1.Análise das qualidades psicométricas: Fiabilidade da escala

3.2.2. Escala de Vinculação do Adulto (EVA)

3.2.2.1.Análise das qualidades psicométricas: Fiabilidade da escala

3.2.3. Escala de Provisões Sociais (EPS)

3.2.3.1.Análise das qualidades psicométricas: Fiabilidade da escala

3.2.4. Escala de Bem-Estar Psicológico (EBEP-R)

3.2.4.1.Análise das qualidades psicométricas: Fiabilidade da escala

3.2.5. Inventário de Afectividade Positiva e Negativa (IAPN)

3.2.5.1.Análise das qualidades psicométricas: Fiabilidade da escala

3.2.6. Escala de Satisfação com a Vida (SWLS)

3.2.6.1.Análise das qualidades psicométricas: Fiabilidade da escala

3.2.7. Questionário sócio-demográfico

3.3. Procedimentos

CAPÍTULO VI – APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS

1. Estatística descritiva dos resultados

1.1.Questionário de Vinculação ao Pai e à Mãe
1.2. Escala de Vinculação do Adulto
1.3. Escala de Provisões Sociais
1.4. Escala de Bem-Estar Psicológico
1.5. Inventário de Afectividade Positiva e Negativa
1.6. Escala de Satisfação com a Vida

2. Análise diferencial

1. A importância das relações interpessoais na vida dos indivíduos
2. Análises diferenciais em função das variáveis sócio-demográficas

2.1. Idade
2.2. Sexo
2.3. Habilitações literárias
2.4. Ocupação (Situação Profissional)
2.5. Adultos com que viveu na infância
2.6. Crianças na infância
2.7. Com quem vive actualmente
2.8. Religião
2.9. Acompanhamento psicológico/psiquiátrico

3. Análise de correlações

3.1. Vinculação aos pais e vinculação aos pares
3.2. Vinculação e suporte social
3.3. Vinculação e bem-estar
3.4.Suporte social percebido e bem-estar

4. Efeitos de mediação entre as variáveis estudadas

4.1. O suporte social medeia a relação entre a vinculação aos pais e o bem-estar?

4.2. A vinculação aos pares medeia a relação entre a vinculação aos pais e a percepção do suporte social?

CAPÍTULO VII – DISCUSSÃO DOS RESULTADOS 136

1. Sobre a importância das relações interpessoais na vida dos indivíduos 136
2. Sobre o impacto das variáveis sócio-demográficas
3. Sobre as correlações entre as dimensões em estudo

3.1. A vinculação aos pais e as relações adultas
3.2. Os laços e o bem-estar
3.3. Sobre os efeitos de mediação entre as variáveis estudadas

CAPÍTULO VIII – CONCLUSÕES GERAIS

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANEXOS


 

 

Trabalho completo