Psicologia

Dissertações de Mestrado

 

O papel do optimismo no ajustamento psicossocial do doente fibromiálgico

 

Autor: Ana Lúcia Viana Sampaio
Orientador:
Helena Águeda Marujo

 

Mestrado em Psicologia

Psicologia Clínica e da Saúde

Núcleo de Psicoterapia Cognitiva-Comportamental e Integrativa

Universidade de Lisboa
 

Se é autor de uma tese / dissertação de mestrado ou de doutoramento envie-nos para knoow.net@gmail.com e ajude-nos a enriquecer ainda mais o nosso site.

continuar

 

O papel do optimismo no ajustamento psicossocial do doente fibromiálgico

Resumo

A presente investigação, de teor exploratório e descritivo, visa perceber se o optimismo contribui para formatos de resposta mais adaptativos à fibromialgia, bem como avaliar a relação do optimismo com a sintomatologia depressiva em doentes fibromiálgicos. A recolha dos dados foi feita através de uma entrevista semi-estruturada, com carácter apreciativo, construída para este estudo e realizada pessoal e individualmente com cada sujeito. Foram entrevistadas 12 pessoas com diagnóstico de fibromialgia. De acordo com um modelo de investigação qualitativa, os dados foram depois analisados com recurso à metodologia de análise de conteúdo. Concluiu-se que o optimismo desempenha um importante papel na adaptação à doença crónica, sendo que os doentes fibromiálgicos mais optimistas apresentavam um melhor funcionamento psicossocial. Verificámos igualmente que, na nossa amostra, o optimismo está associado a baixos níveis de sintomas depressivos. O optimismo parece constituir assim um recurso especialmente útil quando as pessoas são confrontadas com uma doença crónica que apela à necessidade de expectativas positivas sobre o futuro, e apela à perseverança, como é o caso da fibromialgia.

 

Palavras chave: Optimismo, Fibromialgia, Depressão (psicologia), Teses de mestrado

 

Índice

1.Introdução

2.Enquadramento Teórico

2.1. Optimismo e Pessimismo – modelos conceptuais
2.2. Doenças Crónicas – A fibromialgia e seus aspectos psicológicos
2.3. Optimismo e Doença Física
2.4. Optimismo e Doença Crónica
2.5. Optimismo e Doenças Reumáticas – O caso da fibromialgia

3. Enquadramento Metodológico

3.1. Instrumento de recolha de dados
3.2. Participantes
3.3. Procedimento
3.4. Análise de dados/Resultados

4. Conclusões

5. Bibliograf ia
6. Anexos

 

 

Trabalho completo