Psicologia

Dissertações de Mestrado

 

Savoring: uma forma de promover o bem-estar?
A relação entre as crenças, as estratégias de savoring e o bem-estar pessoal nos adolescentes : um estudo

 

Autor: Joana Leite da Cunha Sampaio de Carvalho
Orientador: Maria Alexandra Marques Pinto

 

Mestrado em Psicologia

Área de especialização em Stress e Bem-Estar
Intervenção na Família, na Escola, e no Trabalho

Universidade de Lisboa
 

Se é autor de uma tese / dissertação de mestrado ou de doutoramento envie-nos para knoow.net@gmail.com e ajude-nos a enriquecer ainda mais o nosso site.

continuar

 

Savoring: uma forma de promover o bem-estar?

Resumo

A investigação sobre os processos de adaptação indica que numa situação de stress também se pode experienciar eustress (Nelson, D. L. & Simmons, B. L., 2003), mas poucos estudos foram feitos sobre como é que se desfrutam as experiências emocionais positivas. Bryant e Veroff (2007) salientam que a forma de verdadeiramente desfrutar a nossa vida passa por, apreciar, aumentar e atender a experiências positivas e apresentam-nos um modelo para estudar este processo designado savoring. Para estes autores este processo constitui um mediador da relação entre as condições objectivas da nossa vida e a frequência da experiência de emoções positivas, ou seja o savoring é um meio para promover o bem-estar. Este estudo centra-se no modelo de savoring e tem como objectivos: traduzir e adaptar para português as escalas Savoring Beliefs Inventory (SBI) e Ways of Savoring Checklist (WOSC) e explorar as relações existentes entre as crenças e as estratégias de savoring e o nível de Bem-Estar nos adolescentes, medido através da Escala de Bem-Estar Psicológico para Adolescentes - EBEPA (Bizarro, 1999). O estudo das características psicométricas dos instrumentos na amostra revelou resultados encorajadores para a investigação, em adolescentes, das estratégias de savoring e das crenças sobre a capacidade para desfrutar um acontecimento positivo. Entre os resultados encontrados destaca-se o efeito indirecto, positivo e significativo, da crença relativa à capacidade para desfrutar um acontecimento positivo no Bem-Estar através da estratégia de partilha com os outros.

 

Palavras chave: Bem-estar psicológico, Adolescentes - psicologia, Savoring, Teses de mestrado - 2009

 

Índice
RESUMO

ABSTRACT
INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I – ENQUADRAMENTO TEÓRICO

A vivência de experiências positivas

Modelo Holístico de Stress

O Modelo de Savoring de Bryant e Veroff

O conceito de savoring

Apresentação Geral do Modelo de Savoring

Bases teóricas do modelo de Savoring

As Experiências de savoring

O enfoque da atenção

Os processos de savoring

As estratégias de savoring

A crença sobre a capacidade para desfrutar (savor)

Funções básicas das estratégias de savoring

Relação entre as estratégias de savoring e o tipo de avaliação sobre o acontecimento

A relação entre as crenças e as estratégias de savoring

Savoring e o tempo

Perspectiva do desenvolvimento ao longo da vida – savoring

As crenças de savoring nos pré adolescentes

Savoring na adolescência

Os modelos de Bem-Estar

Bem-estar Subjectivo

Bem-Estar Psicológico

Bem-Estar Social

Perspectivas integradoras do conceito de Bem-Estar

A natureza e a origem do bem-estar nos adolescentes

Savoring e o Bem-Estar

CAPÍTULO II – ASPECTOS METODOLÓGICOS

Problema, Questões e Hipóteses de Investigação

Fases do Estudo

Fase 1 – Tradução e Adaptação da WOSC e SBI

Fase 2 – Aplicação do Protocolo de Avaliação

Método

Caracterização da Amostra

Instrumentos de recolha de dados

WOSC – Escala de Vivência de Experiências Positivas
SBI - Inventário de Crenças sobre Vivência de Experiências Positivas

EBEPA - Escala de Bem-Estar Psicológico para Adolescentes
Características socio-demográficas

Procedimentos de recolha de dados

CAPÍTULO III – APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

Avaliação de algumas características Psicométricas da WOSC e SBI 

WOSC

SBI

Apresentação dos Resultados

Pressupostos de Distribuição normal e Homogeneidade de Variância

Procedimentos Estatísticos utilizados

Análise Diferencial

Correlações

Regressões

Mediação

Análise de Conteúdo

Análise descritiva

Análise Diferencial

Correlações entre as Variáveis Socio-Demográficas e as variáveis em estudo

Hipóteses

Discussão dos Resultados

CAPÍTULO IV – CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E PISTAS PARA INVESTIGAÇÕES FUTURAS

Conclusões

Limitações e pistas para investigações futuras

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

 

Trabalho completo